Pesquisar este blog

1 de março de 2014

Tolerância

Eu sou impulsiva. Não tenho medo de desafios. Não raras vezes ouvi que sou dura na queda, que não desisto fácil, mas que demoro muito pra abandonar o barco e tento tapar seus furos até não poder mais. Também não raras vezes, a teimosia me faz pagar seu alto preço... e lá vou eu ficando com a conta no vermelho, mais uma vez, porque não parei pra pensar melhor, porque na empolgação do momento, eu me deixei levar e não aproveitei como deveria.

Eu não sou tolerante. A impulsividade me faz acreditar que o primeiro pensamento é o que vale, que a primeira impressão é a melhor opção, e não testo as alternativas seguintes, simplesmente porque  ignoro que elas existam. Quero que os demais tolerem meu modo de ser, mas sem ter que tolerar as falhas alheias.

É egoísta e prejudicial. Não é algo de que eu me orgulhe assumir. Acredito que seja um traço de personalidade que realmente merece ser tratado e melhorado, mas que requer atenção, e este também não é um ponto forte pra mim.

Eu odeio o caso pensado mal intencionado, a armadilha, o teste... porque não acho justo ficar sendo posta a prova o tempo todo. Não acho coerente se desejar um vida leve e honesta consigo, se tiver que viver pisando em ovos. E, em contra partida, entendo que pra viver en sociedade, ou deve-se pisar em ovos e engolir alguns sapos, ou não se vive. Tem a opção de viver só, e isso pra mim, é como se a opção não existisse.

Um comentário:

Felipe Fernandes disse...

Texto sensacional! Me identifico.