Pesquisar este blog

3 de julho de 2007

E você? Já sabe o que vai ser quando crescer?



Um amigo me perguntou isso, essa semana.
Minha resposta foi evaziva, eu disse que nem sabia se queria crescer.
Sutilmente, ele disse que eu já sou gente grande.
E aí fez tudo sentido. Um triste sentido, mas fez.

As mudanças, minha impaciência, minha irritabilidade...
Meus choros, minhas crises todas, sejam com ou sem nomenclatura específica...
Tudo faz parte da mudança de hábito... E parece tão simples, não é?
Mas não. Crescer, apesar de um empreendimento bárbaro, já dizia Capitain Hook no clássico Peter Pan, é cheio aborrecimentos e espinhas.

E esse meu amigo, ainda me atentou para mais um pequeno detalhe: Só crescemos quando temos capacidade pra tal. E se nos negarmos a crescer, quebramos o ciclo da vida; o ciclo de uma provavel evolução humana. Mesmo que haja aqueles que apenas fingem crescer, que driblam o amadurecimento...

Cheguei a conclusão de que crescer podia não ter efeitos colaterais.
Isso, só porque esse mundo de gente grande não me apetece mais. Nada tem a ver com a síndrome de Wendy que eu projetei em mim, durante esses anos todos, fazendo crescer partes aleatórias de mim, por puro divertimento ou opção...
Mas bem me lembrou ele que, as que fingem crescer não são lá muito normais.
Há algo de muito estranho nelas... e que se não tivesse efeitos colaterais crescer, nada valeria apena, não teria graça, não seria mérito crescer.

Entendi, então, porque não ligar tanto para os outros quanto a fazerem a parte deles.
O importante é que eu faça a minha, porque mesmo que sejam complementares, não são interdependentes.

"As coisas são simples, as humanidades que complicam... "
Eu já escrevi, e agora, nem falta mais quem me entenda.
Obrigada.








Tive um record de público na última semana.

Um post, dois comentários relevantes e algumas visitas motivadoras!

-Bom sinal ! Muito Obrigada.

Um comentário:

Fê Savino disse...

Doidinhaaaa!
Faz tempo que não passo por aqui, né? Ultimamente ando postando correndo, do trabalho mesmo, para perder menos tempo, pois o tempo de gente grande é precioso... já percebeu?!
Crescer dói fisica e psicologicamente... mas podemos encarar isso de forma espontânea e natural, como uma nova porta que se abre a nossa frente onde não sabemos o que vamos encontrar, e aí é que mora a beleza da surpresa... será que não vale a pena arriscar?! Será que não é bom ser gente grande... deve ter lá suas vantagens.. basta procurá-las com carinho que você as encontrará!

Bjocasssss