Pesquisar este blog

8 de setembro de 2008

Uma carta...

Desde a primeira vez que coloquei meus olhos em você, soube que aí dentro havia mais.

Meu corpo pedia pra ficar perto do teu, meu coração palpitava com mais força, havia borboletas em meu estômago e um sorriso esperançoso em meus lábios.
Eu era toda pra você, do cabelo solto à seu pedido, aos pés frios, no salto alto preto.
Ouvi seu discurso, porque raramente me deleito só com imagem. Me arrependi.
Não de ter ouvido, mas de ver que você não tem peito pro que sonha.
Não é pecado, não. Pelo menos eu não acho que seja.
Todo mundo aprende um dia, todo mundo cresce, por mais tempo que demore...

Vai ver, seu bolo assou rápido demais por fora, e a massa acabou crua.
Dá dor de barriga, mas não é de todo sem sabor... Eu comeria.
Aliás, quase comi. Cru e quente.
Você disse exatamente a receita que precisava: duas doses de beleza, três colheres de inteligência, pitadinhas de sexo quente, e pra confeitar, uma cereja bem vermelhinha - Tem que fazer bonito aos olhos de quem está próximo também, não é? É, eu também acho.
Minha receita é parecida... Parecida.

Uma vez me disse de evitar mágoas maiores; sua razão era muito equilibrada pra saber do todo... Quase premonitiva, eu diria. Estávamos fadados à sua descrença.
Disse que se assusta fácil quando a paixão está por perto; é muita responsabilidade...
Era como fogos de artifícil, e nada me garante que não seja agora, também.
Disse que tinha encontrado, e de repente, sumiu. Apareceu com uma gatinha siamesa, e colocou uma coleirinha rosa no pescoço dela... E por mais que não tenha sido, foi assim que você mostrou; assim que fez questão de mostrar.

Egoísmo cansa, meu amor. Você aguentaria ser desnecessário pra alguém?
Prepotência, soberba, auto-suficiência...
Eu gosto. Gosto até dos seus defeitos, e isso não é pra qualquer um.
Mas isso não é estar apaixonada. É gostar, oras.

E tem limite, também.
Quero vigia, quero sentinela, zelo, carinho, atenção.
- E você também quer... Conhece alguém que não queira?
E tem mais: quero o pai da Sofia, do João Pedro. O cara que vai saber me amar pra sempre, seja o sempre o tempo que for, seja utópico, ou não... e se você não puder dar, paciência; É só esperar e procurar mais um pouco (isso, se eu já não achei, e ele passou despercebido... Ah!)

Não estou terminando nada, ou começando algo, por mais que acredite que pode valer muito a pena. Sem essa de que é só pra saber onde vai dar - Nenhum de nós vai saber se não tentar, nunca!

"Você sabe como encantar e como bater: infla o ego, é doce, coloca as luvas delicadamente, beija os lábios... e atira. À queima-roupa.
E não faz idéia do quanto isso me instiga..."

Ser sua, seria uma grande aventura. Com ou sem reservas.
Minhas ilusões estariam satisfeitas, e isso é meio caminho.

Coragem de te entregar, eu tenho. De me entregar...
Falta a certeza da tua atenção em ler minha cena, e não achar que estou dramatizando.

* Já dizia a Ana... - O amor é mais que isso..."














- Uma dança? Assim você não se sente pressionado contra a parede, e tem o palco todo pra me levar... =)

Um comentário:

Mariana disse...

Safadeeeenha!